sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Afinal, de onde vem a taurina?

Modelo tridimensional da taurina.
Captura de Tela 2014-02-28 às 13.59.52
Fórmula estrutural plana da taurina.

Taurina é o nome usual do ácido 2-amino-etanossulfônico, um ácido orgânico presente em diversos tecidos animais. Responsável por cerca de 0,1% da massa corporal de um humano adulto, é um dos principais componentes da bile, um detergente (isso mesmo!) sintetizado no fígado e responsável pela emulsificação dos lipídios presentes nos alimentos.

Tecnicamente um aminoácido (não no sentido tradicional bioquímico, por não possuir o grupo carboxila), recebeu esse nome popular por ter sido isolada por pesquisadores alemães, em 1827, a partir da bile de bovinos.

Essa substância executa importantes funções metabólicas:

  • entra na composição de sais biliares;
  • é essencial ao funcionamento cardíaco;
  • participa do funcionamento e desenvolvimento da musculatura esquelética;
  • atua no funcionamento da retina e do sistema nervoso central;
  • tem importante ação antioxidante, em especial na inibição de processos oxidativos decorrentes do estresse pós-exercícios físicos;
  • reduz a secreção de apolipoproteína B-100 e de alguns outros lipídios, cujas concentrações elevadas constituem fator de risco para o desenvolvimento de aterosclerose e aterosclerose coronariana.

Apesar de sua presença generalizada nas bebidas conhecidas como energéticos, não é a taurina que exerce o efeito estimulante alegado pelos fabricantes.