terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Bye, bye, ISON!

Composição em time lapse da passagem do ISON pelo periélio. Note que ele se aproxima brilhante (abaixo, à direita), mas depois afasta-se com brilho cada vez menor (acima). (Fonte: NASA/ESA/SOHO.)
Composição em time lapse da passagem do ISON pelo periélio. Note que ele se aproxima brilhante (abaixo, à direita), mas depois afasta-se com brilho cada vez menor (acima). (Fonte: NASA/ESA/SOHO.)

Bem, as últimas imagens liberadas pela NASA nos levam a crer que, de fato, o ISON não sobreviveu a sua passagem pelo periélio. Analisando o brilho do corpo que se afasta do Sol (em rota compatível com a do cometa), percebemos que vai ficando cada vez mais fraco, indicando uma possível completa vaporização (na verdade, sublimação) do nosso protagonista.

A equipe de astrofísica da agência estadunidense ainda está estudando novas imagens feitas pelo telescópio orbital Hubble, com o objetivo de avaliar o que restou do corpo celeste. Contudo, parece que essa história chegou ao fim.